Se você acredita em amor à primeira vista, você nunca para de procurá-lo. (Closer)

Closer, um filme de fotógrafos, feito com várias imagens – belíssimas – permeado pela trilha sonora de Damiens Rice, que canta “Não consigo parar de te olhar”. Uma das primeiras frases do filme diz: “Se você acredita em amor à primeira vista, você nunca para de procurá-lo”.


Eu facilmente poderia partir do princípio de que é um filme de imagens e articular o filme com o imaginário do qual a Psicanálise fala, e discorrer em termos mais inteligíveis o quanto os nossos relacionamentos modernos, pós-modernos, hipermodernos, ou como vocês preferirem chamá-los, têm empobrecido, têm caído na efemeridade de mais um objeto a ser consumido, ou até mesmo poderia falar alguma coisa sobre a ideia dos amores líquidos, do brilhante Bauman.


Acontece que essas ideias não me convencem. Embora eu não ache no enredo do Closer algo extraordinário, ainda assim, é um filme que me hipnotiza. E eu acho que é por essa coisa do olhar. Há nos personagens uma busca ansiosa pela verdade, ainda que acompanhada por uma bela dose de covardia. Bem humano.


Dá pra pensar que as relações do filme são um tanto quanto amorais, visto que há um “q” de traição em abandono em todas elas. Mas acho que não é nada disso. Sinceramente? Acho que esse discurso que ouvimos hoje em dia de que os homens não são mais os mesmos, as mulheres não são mais as mesmas, os relacionamentos são efêmeros, apesar de serem verdadeiros, acho que essas coisas em nada influenciam no amor. Não acho que os amores estão líquidos. Acho que sempre foram. É bem verdade que somos sujeitos atravessados historicamente, o que faz com que eu não me lembre de ter vivido em outra época, além dessa. Talvez se eu tivesse 300 anos de idade, pudesse fazer uma leitura diferente. Mas não tenho. E você que me lê também não. Então, sem saudosismo de uma época que não vivemos, por favor. E penso que essa coisa de que o amor de hoje em dia é diferente, é só uma desculpa para não nos responsabilizarmos por nossas frustrações amorosas.

E essa frase que me mata de amor “Se você acredita em amor à primeira vista, você nunca para de procurar”, pode – como tudo na vida – ser interpretada de várias formas. A gente pode pensar que ela quer dizer que os relacionamentos são efêmeros, sim, porque mesmo quando estamos envolvidos num relacionamento amoroso, ainda não estamos satisfeitos completamente, e portanto ficamos olhando pra as pessoas ao nosso redor, em busca de algo melhor, e quando encontramos, trocamos, assim como fazemos com os nossos ipads, iphones e smartphones… Mas pra mim, o que a frase diz é que olhar e ver são coisas diferentes. Posso olhar mil vezes para a mesma pessoa, sem nunca tê-la visto. E assim sendo, todo amor é à primeira vista.


Ao meu olhar, Closer nada tem de moderno. É simplesmente uma “Quadrilha” do Drummond, incorporada em belas imagens. Acho que o amor nada tem de moderno. Acho que os amores líquidos nada têm de moderno. Acho que moderno é eu escrever um texto antiquado desses e postar num blog, onde vou divulgar pelo twitter e pelo facebook, e uma quantidade grande de pessoas terá acesso, em busca de uma resposta para uma antiga pergunta: o que é o amor?

9 comentários em “Se você acredita em amor à primeira vista, você nunca para de procurá-lo. (Closer)

  1. Closer é um dos filmes que mais gosto. Não pelo filme como um todo, mas por alguns diálogos, o sofrimento dos personagens, a busca, os desencontros, o amor, a dor, …

    Gostei do texto!

    Ósculos.

  2. Amor é aquilo que tempo, distância e circunstância são absolutamente incapazes de dissolver.

    E sim, eu acredito, e guardo um amor que nasceu exatamente assim, à primeira vista.

    =***

  3. Brilhante a associação com Quadrilha, Ana!!!
    Genial o texto todo. Se vc acha que isso é estranho e confuso escreva coisas estranhas e confusas sempre, viu?
    😛
    Beijos!

  4. como Carina disse, gostei demais da lembrança de Quadrilha. O que não diminui a intensidade de toda sua analogia. O que não afeta em nada o contexto e a ideia principal. O amor e suas vertentes.

    Vou ler e reler muitas vezes até sexta o texto de todos… e tentar, sutilmente desenhar o meu!

  5. Perfeito! Texto ótimo, assim como o filme. O que mais gosto em Closer é a forma seca e crua como Mike Nichols mostra a descartabilidade das pessoas. Me toca demais!

    bjs

Os comentários estão fechados.