amor: poesia dos instantes.

amor não é cárcere privado, é encantamento.

sopa rala de letrinhas que se conjugam para lembrar batismos. viver consagrado na sobrevivência profana que nos anima. o abraço da partilha. o beijo da semente. o olhar da construção. a lágrima violenta de abismos e deslumbramentos. o corpo crepitando jorros, rajadas de prístino anseio. a máxima morte é para depois. olhar pela janela os detalhes mínimos. macular o cotidiano de avessos a avaros azedos. a grana é fugidia. inventar uma prece a um deus imaginário. impregnar a natureza de milagres. consubstanciar as congeminações. germinar alguns desapegos. regar os afetos. não se contentar com os tropeços, nem conviver com a falsidade. sorver recuos. assimilar os sinais. não simular recados. ler as placas com cuidado, para não se deixar enganar depois. o percurso é árido, porém de beleza ímpar, a dois.
ou mais…
ou nenhuns…
ou quases…
“a vida é bem mais ou menos mesmo, entendeu?”. tufão

4 comentários em “amor: poesia dos instantes.

  1. ultimamente minha vida tem sido feito de quases, nos relacionamentos, e de muita inteireza no viver intensamente. às vezes eu presto atenção nas placas, noutras na poesia. ler-te, sempre um deslumbre.

    abraços, mestre
    @paraquenomes

Os comentários estão fechados.