Sofia, o medo, o amor, o medo do amor e o amor do medo

Sofia tinha tantos amores…
Aprendeu que o amor, sozinho, é inútil. Só tem serventia desde que venha acompanhado de um adjetivo.
Agora estava com aquele cara, que lhe tratava bem, mas que não morreria por ela. Que gostava muito dela, mas que  ela não estava certa de ser amada por ele.
Acreditava amar mais do que era amada. Mas todo aquele que ama, encontra uma injustiça matemática na distribuição do amor. 
Considerava a possibilidade de um dia, simplesmente descobrir que nunca, nem por um instante, tivesse sabido que era o amor.
Tinha medo que o amor não a amasse, mas que a solidão fosse a sua verdadeira companhia.
No fundo ela sabia que a sua companhia mais digna era a solidão. Mas pra não perceber isso, vivia a trocar de amor. E cada um, ela amava de um jeito. Amor que sufocava, amor que respirava. Amor que respeitava, amor que invadia. Amor que amava, amor que odiava. Amor que tinha certeza, amor que duvidava.
Isso pode parecer bonito, assim espera o ego de quem escreve. Mas no final das contas, nada havia de poético nesses amores. Acontece simplesmente que Sofia odiava a rotina. Então trocava de amor o tempo todo. Toda semana. Em dias críticos, mais de uma vez por dia.  Daí o leitor pode pensar que Sofia era assim, meio “piriguete”. Talvez fosse. Mas piriguete de um homem só. O segredo dela era mudar de amor o tempo todo, não de amante.
E assim era bem amada. E mal-amada. E desamada. E desalmada.


8 comentários em “Sofia, o medo, o amor, o medo do amor e o amor do medo

  1. Como se fosse a primeira vez… É, teu texto me lembrou o filme. Eu já gostava dele, agora passei a gostar do teu texto também 😉

    beijos,
    @paraquenomes

  2. Você me faz chorar. Chorar sorrindo.
    Você tem esse poder maravilhoso, com as tuas palavras.
    Senti vontade de abraça-la, agora.

    Paro por aqui, hoje.

    É muito lindo.

    Sentia sua falta, Sofia.

  3. Perfeito. A forma como Ana Suy fala do amor e e seus movimentos….Hoje eu estou, amanhã eu serei… Muito bom!

Os comentários estão fechados.