É por isso que a gente terminou.

Enquanto você lê essa carta, estarei deitada no meu novo colchão inflável, em um quarto vazio exceto por caixas de papelão ainda fechadas. Provavelmente estarei lendo um livro. Você só lê o que é obrigado pelo trabalho, não entende como eu posso ler tanto, e se te perguntarem um livro que eu tenha lido no último ano, você não vai saber citar nenhum, e é por isso que a gente terminou.
Amanhã eu vou acordar muito cedo para ir trabalhar num lugar que eu amo, mas que é longe e paga mal. Não importa, lá eu faço o que gosto, um trabalho pesado e sofrido, mas que é o que eu escolhi. Você acha que é besteira minha e que eu devia fazer um concurso público, e é por isso que a gente terminou.
Depois do trabalho vou ao teatro com alguns amigos e em seguida vamos jantar. Sim, vai terminar tarde e no dia seguinte eu trabalho, mas a vida passa num piscar de olhos, e se você ficar tempo demais com eles fechados não vai mais conseguir enxergar quando abri-los. Você acha que a vida é trabalhar, guardar e aguardar, e que sempre teremos o amanhã, e é por isso que a gente terminou. 
Enquanto te escrevia essa carta, recebi uma ligação. Alguém que telefonou para saber como tinha sido a mudança, como foi meu dia no trabalho, e pra me dizer que hoje lembrou de mim quando ouviu uma música. Há muito tempo que você não me liga, a não ser para cobrar ou pedir, não tem tempo para me ouvir, aliás, nem música você ouve mais, e é por isso que a gente terminou.
Poderia seguir por muitas linhas, dar mil exemplos, e ainda assim você não entenderia. E tudo bem você não entender. O problema é que você não me faz mais viver. E foi por isso, mais do que qualquer outra coisa, que a gente terminou.
* Esse texto foi inspirado pelo livro “Por isso a gente acabou.”, do Daniel Handler, e a foto acima é de uma caixa baseada no livro que está há semanas em uma livraria aqui do Rio de Janeiro como ação de dia dos namorados.

8 comentários em “É por isso que a gente terminou.

  1. Estava saudosa de vir aqui visitar vcs.. vim e deparei-me com esta leitura ímpar.

    Parabéns.

    bjs da lua.

  2. À pouco, enquanto arrumava na estante os poucos livros que você esqueceu embaixo da cama – talvez pela pressa que estava de ir embora – acabei folheando um deles e pensei, triste, com meus botões: “Por que alguém leria essa merda?!?” mas, além desse pensamento bucólico e sincero, pontadas duras e doloridas no peito acusavam sua ausência e, misturado ao sentimento intenso de rejeição, havia o lamento interrogativo de um coração prático, mas que te ama: Por que será que a gente terminou?!?

    Amanhã, quando o seu despertador não me acordar antes da hora, e eu levantar sozinho, não encontrarei um restinho de café para tomar antes de sair; na torneira do chuveiro: nenhum adereço a me lembrar do que poderia estar acontecendo agora; Ao sair, pelo hábito, olharei na geladeira prá ver se seu iogurte acabou e me perguntarei: Por que será que a gente terminou?!?

    Sairei do trabalho às 18 amanhã; no máximo às 19… não mais que isso; vou encontrar os da antiga, no bar e, passado o mal estar do “só veio encontrar com a gente pq levou um pé na bunda”, tudo voltará rapidamente ao normal, falaremos de futebol, sobre ações, sobre chefes incompetentes e empresas gananciosas, chegando finalmente à vocês e em especial a você e, naquela hora, com o quorum da mesa já bem reduzido, perguntarei prô Rafael, que mal entenderá a pergunta, o porque da gente ter terminado!!!

    Assim que o estrondo da batida da porta, na sua saída, parava aos poucos, de ecoar na minha cabeça, pensei em te escrever e, se eu soubesse fazê-lo, pode ser que tivesse começado um texto ou uma carta; mas não sei, nunca soube, talvez a falta do hábito da leitura, que você, com certa arrogância, sempre criticou; tenha me tirado a possibilidade de escrever – pensei, para em seguida mudar de idéia… eu não escreveria, eu não saberia me expressar, eu não sei me expressar. Nem mais as músicas, que outrora me traduziam em palavras, onde eu me achava e me entendia, nem elas ultimamente serviam para mais nada! Quando foi que a gente terminou?!?

    Tanto que eu tentei seguir sua linha, me basear em seus exemplos, mas você nunca reconheceu nisso, meu amor. Sorrio disfarçado: como pode essa enxurrada avassaladora de pensamentos me chegar assim de repente? Eu esticando o braço prá apagar a luz e me veio esse redemoinho de idéias… espero que a Marinha, sabe quem é né? Aquela vizinha gostosinha, pois é, espero que ela não tenha notado e não me pergunte nada! Ela veio aqui um pouco depois de sua saída, preocupada com o falatório… acabou ficando… acendo novamente a luz e olho meu sorriso, agora já mais desencanado ao espelho e pergunto:Por que será que a gente terminou, só agora?

Os comentários estão fechados.