Desperdiçar você

E lá vem você com esses joguinhos mais uma vez. Já avisei que não agüento mais essa tensão, esse ter e não ter. Nunca sei se és minha ou queres ser de outro.

Isso tem que acabar. Isso está acabando comigo. Preciso acabar com você.

Uma mulher tão linda, tão misteriosa. Tão cadela, infeliz e traiçoeira.

Não. Nunca sei se és boa ou se és má. Sei que nunca sei. Mas isso tem que acabar.

Compreendo que és mulher, e que mulheres tem desses mistérios, mas eu te amo e te preciso, e enquanto estou aqui, estás por aí. Nunca sei se me precisas. Nunca sei se me queres realmente. Será que queres?

Fico aqui calado, imaginando. Só te olhando, desconfiado, meio de lado pra você nem notar.

Você nunca nota. Ou será que nota? Eu nunca sei. Só sei que isso precisa acabar.

Eu te olho, toda esguia no vestido longo e negro que te dei, que tanto admiro. Ficas estonteante nesse vestido. E flertas com metade da festa. A outra metade são senhoras escandalizadas e moças jovens com inveja dos olhares que atrais. Mas tu nem notas.

Não agüento mais. Preciso ir embora.

Preciso sair dessa agonizante incerteza. Preciso que tu te decidas. Mas sei que nunca vais te decidir, isso é parte da sua beleza. O que te faz tão bela, aos meus olhos, é essa dúvida perene, esse não saber.

E enquanto tu permaneces irresoluta, vou me perdendo num mar de incertezas, indo para cada vez mais longe de ti.

Sinto agora como se estivesse te observando através de um vidro, e esse vidro amplifica tudo que mais me impressiona em você. Suas mãos, suas curvas, seu sorriso.

Mas o que mais me chama atenção é o seu olhar, um olhar certeiro, misterioso. Um olhar que diz “você é meu”, mas que ao mesmo tempo diz “eu não sou tua”.

Eu sigo te olhando e me afastando.

Não consigo afastar a certeza de que estou tomando uma decisão errada, que preciso ficar perto de você, mas isso precisa acabar.

E a sensação que fica é que estou desperdiçando a minha chance de ficar com a mulher mais linda da festa.

Estou desperdiçando você. E você, dispensando seduções.

7 comentários em “Desperdiçar você

  1. Esse tipo de incerteza tratada no texto é uma puta traiçoeira. Realmente coisa de botar maluco até alguém com equilíbrio de um monge.

    Mas, dizem que a disponibilidade demais, ter ou dar certeza demais ao outro, é bem mais nocivo.

    E, dai fico me perguntando: como é que um coração trouxa sobrevive? Bem, eles sempre sobrevivem porque todo trouxa é resistente.

    Um beijo

  2. Ah, Claúdio, morri várias vezes nesse texto.
    Destaque para: Mas o que mais me chama atenção é o seu olhar, um olhar certeiro, misterioso. Um olhar que diz “você é meu”, mas que ao mesmo tempo diz “eu não sou tua”.

    Um dos seus melhores textos aqui, na minha opinião!

  3. Mulher cadela, que se passa também por mulher gata: linda, misteriosa, infeliz e traiçoeira.

    Felina que seduz sem querer querendo.

    :*

  4. Estou texto me lembrou um pouco o texto da Malu (que na minha opinião é um dos seus melhores).
    Sabe aquela história de “quer pois sabe que não tem.”
    Acho que é esse o encanto…rs

Os comentários estão fechados.