O olhar que olha

Existo. Não existo. Existo. Não existo.
Parece uma crise existencial, mas sou apenas eu, 

diante dos seus olhos que piscam enquanto me olham.


Eu não existia até você me olhar. Não era um simples abrir de olhos na minha direção, era vida que você dava ao meu corpo. Era um olhar curioso, que carregava em si todas as perguntas do mundo. Fiquei  tão interessada naquilo que você via, que me apaixonei pela menina dos seus olhos. Era porque você me via que o meu corpo ganhava limites, e eu mal podia acreditar que eles existiam! Sempre me senti um pouco como fazendo parte de cada pedaço do universo, vivo me misturando aos outros. Vejo o mendigo sujo na rua, e o amo, porque sou eu. Vejo a adolescente chorando ao telefone em plena DR com o namorado, e fico enraivecida que ela permita que alguém a faça chorar, porque sou eu. Ouço as palavras ríspidas da minha mãe e me irrito, porque também sou eu quem as pronuncio. Quando você me olhou foi como se tivesse me salvo de todo o resto do mundo. Então eu podia ser eu, e não o outro! Então eu podia mudar meus hábitos e manias que o mundo continuaria girando! Então eu era só mais um pedaço de carne nesse mundo! Então eu não era importante para a maioria das pessoas! Sei que pode parecer sem sentido que um par de glóbulos oculares adentre a alma de alguém a tal nível de profundidade, mas nem vou fazer esforço pra explicar, porque o mais sem sentido é que isso pode acabar. Hoje de manhã olhei para os seus olhos e vi…os seus olhos. Verdes. Azuis. Amarelos. Coloridos, e daí? Não deram notícias de mim, não falaram comigo, eu não estava mais lá. Você estava sorridente, os seus olhos ainda brilhavam, mas eu não me encontrei no seu olhar. Corri para o espelho, secretamente duvidando da minha existência. Me decepcionei ao me encontrar ali, igualzinha. Teria sido você que já não me olhava mais do mesmo jeito? Teria sido eu que inventei o seu olhar ao te olhar?


9 comentários em “O olhar que olha

  1. Ahhh gostei muito mesmo dos seus textos; e desse último principalmente. “Me decepcionei ao me encontrar ali, igualzinha. Teria sido você que já não me olhava mais do mesmo jeito? Teria sido eu que inventei o seu olhar ao te olhar?”
    Me identifiquei demais com essas últimas frases.

  2. O amor é assim, tem o poder de nos devolver a nós mesmo atraves do outro. O outro é minha extensao e nele me encontro. Seja no olhar, no riso ou no carinho…..
    Mas nao fique assim, decepcionada por ter se encontrado igualzinha no espelho….
    Agora é sua vez de ver refletido em seu olhar nao apenas seus olhos lindos e grandes, mas o outro, seu amado.
    Ele tambem tem esse direito…..
    Obrigado pela linda cronica!

  3. Não existimos sem o olhar do outro, e nem sem o que fazemos ao sermos olhados. Mas quem começa o desejo, quem olha ou aquele que é olhado?

    Adorei, como sempre, amiga.

Os comentários estão fechados.