Tempo perdido X Tempo vivido

– Ai, amiga, fico muito preocupada com você, sabia?  Às vezes acho que você está perdendo tempo em uma relação que não vai dar em nada.
Silêncio.
Silêncio.
Mais silêncio.
– Ah, desculpa, vai, não queria te deixar triste. Mas acho que é meu papel de amiga te falar o que eu penso. 
– Meu silêncio não é de tristeza, eu estava justamente pensando no que você falou, nas palavras que usou, perda de tempo. Como poderia achar que é perda de tempo estar com alguém que me faz tão feliz? Com quem vivo momentos lindos, inesperados, mágicos, que me marcam e se tornam parte tão essencial de quem eu sou? Não é essa a única forma real de usufruir o tempo, vivê-lo como o presente que é? É assim que as memórias são criadas, vivendo, não planejando.
– Até concordo com você, mas não parece você falando. Vai ver é isso que me incomoda também, você não parece você ultimamente. Sempre contei com você para organizar nossas vidas, programas, fazer planos de férias, deixar tudo agendado até ficarmos bem velhinhas. Mas agora você não sabe dizer o que vai fazer na semana seguinte.
– É, eu também ando me estranhando. Sempre achei que devia controlar o tempo, mas estava sempre atrás dele, correndo, ou na sua frente, esperando. E agora, que meio sem querer desisti de controlá-lo, o tempo parece estar sempre do meu lado. Não preciso mais fazer planos. Ou melhor, não consigo mais acreditar que planos são o caminho para a felicidade. Sabe o que penso quando te ouço falar sobre um relacionamento não dar em nada? Que já falei isso outras vezes. Mas que relacionamentos não são projetos. Não quero cumprir metas e cronogramas, já vivo o suficiente disso no trabalho, e já vivi isso no amor, também. E hoje sei que as metas não valem de nada sem o processo. O ponto de chegada sem um caminho é só um lugar, não importa. Não quero um relacionamento que dê em alguma coisa. Quero um que em que eu possa me dar, e que me dê momentos, histórias, sentimentos, lembranças…
– Sei, é tudo muito lindo, muito poético… Não é preciso fazer planos, nem ter paciência, nem ter pressa ou correr atrás. Tudo no seu devido tempo, é isso? Mas e quando acabar? Porque vai ter o tempo de acabar também, e as lembranças não vão evitar o seu sofrimento.
– Não, não vão. Mas não tenho medo de sofrer. Já sofri muito, dores enormes e menores, mas todas sentidas a fundo, e sempre sobrevivi. E lembranças realmente não evitam o sofrimento, a única possibilidade de evitar o sofrimento é evitando a vida também, e isso não quero. Já me protegi demais achando que escapava da dor, mas escapei também do amor. E não quero mais escapar. Não tenho medo da queda. Não me jogava por medo de não ter quem me segurasse, mas agora não quero alguém que me segure. Quero alguém que me solte, que me faça viver, criando exatamente essas lembranças que não impedem o sofrimento nem a queda, mas que são a única coisa pela qual vale a pena levantar.

9 comentários em “Tempo perdido X Tempo vivido

  1. Que bonito isso. E muito verdadeiro. Vale a pena viver por pouca coisa e por um amor que te tire do eixo é uma delas. E acho que nem é bem tirar do eixo, é colocar a gente num nível de entendimento maior do que o de antes. Onde a gente não se subjuga, mas se coloca em primeiro lugar. Onde sofrer faz parte, mas não é o todo.

    LINDÍSSIMO!

  2. Me vi conversando com minhas amigas, faz seis meses que ando feliz da vida perdendo tempo…

  3. Me vi conversando com minhas amigas, faz seis meses que ando feliz da vida perdendo tempo…

    @AnaRfreire

  4. Como sempre, de uma forma sutil, você me derrubou da cadeira e me pôs de pé novamente. Às vezes apostamos tanto que estamos perdendo tempo que não percebemos a felicidade nos chamando para sentir a vida lá fora. Acho que perder um pouco de tempo, com a pessoa certa, de vez em quando, é uma boa pedida.
    Lindo o texto. Amei.
    Beijos

  5. Carina, grifei mentalmente o seu texto inteiro!

    Me lembrei da Salome “se queres uma vida, roube-a”.

    Porque relacionamentos não são projetos e o amor não é politicamente correto.

    Muito muito muito bom!

Os comentários estão fechados.