Das cartas que podem (ou não) ser extraviadas

Amor nada tem a ver com praticidade, aprendi. Unir nossas vidas é dessas encrencas que me disponho a enfrentar. E você? Não preciso de garantias ou promessas, apenas regresse. Sinceramente, depois de tanto ficar debruçada vomitando tequila e sua ausência, os joelhos começaram a sangrar. Desde que acordei sozinha, minha fé quase desceu pela descarga. Você sempre foi minha prece mais bonita. Não sobrou nenhuma canção, ainda que eu lembre de cada refrão. Sabe esses sorrisos? Todos imundos de artificialidade. Saudade teima mais que rabo de lagartixa. Fecho os olhos em busca de mentiras piedosas, os sonhos, mofando o travesseiro com lágrimas. Agora, se o tempo não profanou nossas raízes, por que não segura a minha mão novamente e retira a urgência de todas as outras coisas? Há os ipês, outras calçadas, e ainda tantos lugares para testemunhar nossos absurdos. Não quero nenhuma paz forjada, prefiro o desatino dos seus cílios lembrando porque alguns dias não têm fim. Não é tarde. Se voltar, apenas acolha esse peito faminto em seu abraço, e deixemos que entrelaçadas nossas respirações espantem o medo. Terá um milhão de beijos e carinhos para cada pintinha que no meu corpo você puder encontrar. Na ausência de vãos é nosso lugar. Então, por favor, chega de saudade?


Loridane Melchior já foi Lóri, Joana, G.H. e Macabéa, 
mas é, sempre, acima de tudo, pássaro livre 
buscando uma gaiola que acolha sem prender.

19 comentários em “Das cartas que podem (ou não) ser extraviadas

  1. Amar não é prático, não é simples, mas é irresistível…
    “Você sempre foi minha prece mais bonita” > só a alma declara um amor desses.
    Obrigada, Lóri. E parabéns pelo texto.

  2. Sim, chega dessa distância fria, que maltrata e enche de saudade o peito que um dia, ao lado dele, foi feliz.

    Adorei o texto, e a música certamente ficará ecoando em minha mente, por tempo suficiente pra lembrar que sem ele, não há paz, não há beleza, é só tristeza e melancolia.

    😉

  3. Ah se nós pudessemos extravazar todo amor do peito! É que sempre fica algo, lá no fundo, que fala só com a gente. Sempre fica um pedaço nosso que grita com nós mesmos, pra dar uma sacudidinha e nos fazer lembrar, com força, do que nos traz saudade. E que teimosa ela é, realmente! Ainda bem que há o sentir. Ainda bem que há o dizer. E o poetizar. Ainda bem que não estamos sós.
    E eu pude me sentir aqui, nas suas palavras! Lindo, Lóri! 🙂
    Beijo meu.

  4. E eu gostaria me esconder, embaixo de tuas pálpebras para que tu pudesse me ver, quando fazes tuas orações – Zaho.
    Eu não queria comentar esse texto depois de lê-lo, você sabe minha querida Lori exatamente o que tem se passado comigo, estou nessa, nesse mesmo mar, estamos em cima de um pequeno barco, mas loucos pra nos atirarmos nessas águas, eu sei que tudo isso é a sua verdade, a cada palavra meu coração destilava um sentimento e mais uma vez digo, viver a poesia machuca, ocha lá, isso ai tudo fossem apenas palavras macias, mas é verdade feroz e dilacerante, vocês sintetizou mais um sentimento, amo suas palavras, amo você (dizer mais nada, porque… vc sabe)

  5. Parabéns, Lori.
    É muito bom poder ler você por aqui.

    Sabe que guardo suas palavras com carinho. Seu texto é como um ninho de acolher. Um autêntico demonstrador de saudade. Uma vez que ela invade e não quer nem saber.

    ‘Não sobrou nenhuma canção, ainda assim lembro de cada refrão.’

    Me fez lembrar: ‘E naquele refrão coube uma vida inteira.’

    A saudade maltrata, mas tem coisas que ela não pode nos tirar. São sentimentos guardados. Estão eternizados até mesmo em forma de canção.

    Beijos.

  6. Lóri, em cada palavra tua encontro um pouco de mim, dos sentimentos que não sei descrever, das urgências que preenchem meu ser, da ausência que agoniza em meu peito. Mas ainda assim, continuo encantada com teu modo de escrever com a alma.

    Um beijo, sua linda <3

  7. É claro que amor não tem a ver com praticidade. Amor tem a ver com coragem, paciência, perseverança e fé!
    Amor não é pra gente covarde, que tem medo de sofrer. Amor é pra quem se arrisca, pra quem gasta até a última gota de sangue. Amor é feito precipício, e só quem se joga nele-ainda que haja medo- conhece a verdadeira felicidade de viver. Você é assim, minha poesia! Não há medo que a faça desistir de amar. Não existe sofrimento que a faça desacreditar no amor. Você é todo sentir. Você é o amar em forma de menina! E eu te admiro por isso, além de te amar! <3
    Que bom te ter por aqui, enfeitando um dos meus blogs preferidos *-*.
    Beijo com todo carinho para ti, minha Lori.

  8. Nao ha sentir mais filho da puta (me desculpem a expressao, mas nada senao este palavrao poderia trazer a intensidade devida) que a saudade. E sim, muitas vezes a saudade virou tequila, numa noite fria em um bar qualquer. Infelizmente (ou nao -porque nao ter a saudade saciada e mesmo assim deixar de senti-la, pode ser triste tambem-), algumas horas depois vomitamos somente a tequila, porque a saudade, ah, a saudade permanece.

    Lori, este teu texto me rouba palavras, me rouba lagrimas, me rouba sorrisos. Obrigada por isso.
    Seria muito feliz ve-la aqui na Confraria toda semana.
    Um beijo e que seja entregue a ti, um abraco meu carregado de carinho.

    @Expeerimental .

  9. Há dias não leio algo tão devaneador e carnal ao mesmo tempo. Me fez ver as cores, sentir os cheiros e até imaginar os sabores, ou todo o oposto. Me sinto atordoado e ao mesmo tempo me acolhi ao final, ouvi uma voz e uma melodia, mas guardei. Como guardo agora essa sensação.

    Muito lindo, parabéns.

  10. Eu ia destacar aqui meus trechos prediletos, mas são tantos destaques…que se estivesse no papel, o texto estaria tudo rabiscado, Lori.
    Que texto mais lindo, cheio de delicadezas.
    Queria eu uma gaiola pra prender as sensações que essa leitura me despertaram…

    Obrigada por abrilhantar a Confraria!

  11. Ai, que coisa mais maravilhosa de linda!
    Babei em/por cada palavra/imagem/sentir.

    Parabéns, Lori, Lori!
    E obrigada por nos presentear com coisa tão linda.

    Beijo,

    Tá.

  12. Não é fácil experimentar palavras, sentir a brisa da poesia e vivenciar caracteres que não são nosso. Não é fácil tocar as pessoas, escrever por elas, imprimir sensações. Mas você faz isso com tanta magistralidade, com tanta perfeição… Ler seus versos, rabiscar-me neles… Tão bom. Visualizei cada centímetro, como se dentro dele, eu estivesse. Obrigada pelo presente, pela oportunidade de ler você. “E que eu não sinta saudade. E se sentir, que seja boa então”. @So_Mimimi

  13. “Amor nada tem a ver com praticidade, aprendi. Unir nossas vidas é dessas encrencas que me disponho a enfrentar.”

    Que texto é esse, menina?!
    Incrível.

  14. “Você sempre foi minha prece mais bonita”. Achei uma doçura tão grande essa frase, Lori.

    Gosto de textos que fazem sentir. Obrigada.

    Beijo!

Os comentários estão fechados.