[Nota em Ramos]


Queria poder aprender da pessoa que vive comigo do meu lado aqui bem perto onde tenho até dificuldade para ver de tão próximo. O que ela sabe, a pessoa, eu nem sei e isso é pra vida porque eu atento pra tanto tudo e tão pouco para o que está pequeno e singular cultivado junto a mim. São ramificações dos meus dedos entrelaçados em outros não meus e íris com irís de olhos quatro juntos.


Somos bonitos.


Valemos a pena.


É por isso que escrevo essa nota em ramos para que tudo o que vivemos juntos dentro um do outro – sem haver quem faça uma camada externa – é por isso que escrevo – para lembrar a mim mesmo e eternizar nela eu aquilo que somos e constituímos como um terceiro ser – eu nela.


Gosto dos cheiros dos orvalhos dela.


Das texturas dela sob as solas do meu peito.


Nos meus cantos solos de paredes se encontram.


Ela planta a planta da sola da mão no meu rosto verde.


Eu amadureço na saúde dela.


Ela bebe a sede minha.


Deslizo língua dentro da boca sua.


Vou envelopado pela saliva em palavras úmidas ao encontro da janela e dali me atiro para o vento que conduz meu conteúdo corpo nas correntes necessárias e chego nela como um suspiro novo e um hálito fresco que revira seu estado para um outro instante. 

Eu me aproximo.



Jean Carlos de Godoi é psicólogo, ator e diretor. Crente na palavra bem dita.

3 comentários em “[Nota em Ramos]

  1. Seja bem vindo por aqui, Jean.

    Adorei seu texto, que achei quase uma canção sobre a canção. Lindo e sonoro. Obrigada por dividi-lo conosco.
    Beijos,
    Carina.

  2. Jean, todo o texto é encantador, mas destaco: “Gosto dos cheiros dos orvalhos dela.”

    Seja bem-vindo por aqui!

  3. Gente obrigado!!
    Foi um prazer poder produzir algo em relação a essa música. É uma viajem interior antes de mais nada…
    Já me sinto bem-vindo!

Os comentários estão fechados.