Desde que ele partiu, estou em cacos

            Ela repetia a frase quase toda sessão,

“Desde que ele partiu, estou em cacos”.

No começo quando a incentivava a falar mais, ela respondia com silêncio, lágrimas, ou comentários inócuos. Certa vez fez uma observação sobre o quadro novo na parede da sala de espera, e em outra pediu que eu diminuísse o ar condicionado, tentando preencher com palavras o vazio que ela mesma me mostrava. Então aconteceu que precisei mudar o horário dela do final de tarde pra de manhã cedo, e ela chegou com cara de quem ainda estava dormindo, quase como se falasse protegida pelo véu do sono e disse,

Com ele eu me sentia plena, inteira, como se nada me faltasse e nada no mundo pudesse me machucar. Mas desde o momento em que ele bateu a porta, meu mundo ruiu. Não o real, esse continua igualzinho, e isso talvez seja o que mais dói. O sol continua nascendo, as pessoas vivendo, meu trabalho, os amigos, todos continuam aí, mas dentro de mim algo parece quebrado de vez. 

Não sei se foram exatamente essas as palavras, mas tinha muito disso, esse significante de bater, quebrar, algo impossível de ser consertado enquanto a vida continua. Pedi que ela me falasse mais sobre o que tinha quebrado e ela enumerou vários detalhes chegando à formulação final de que o ideal de vida dela é que tinha partido. Achei importante, porque é esse o luto que ela precisa fazer. É esse o luto que fazemos quando um relacionamento termina. Foram mais semanas, meses, em torno disso, e a mesma frase sempre retornando, às vezes dita entre lágrimas, em outras com raiva, e até como piada,

“Desde que ele partiu, estou em cacos”,

e eu me segurando para não dizer a ela que vivemos em cacos, nunca estamos completos, só na ilusão isso é possível. Não adiantaria nada se eu lhe dissesse, porque como tudo que é importante só há efeito de saber quando vivemos. Então deixava que o silêncio falasse por mim, quando estivesse pronta ela escutaria. Mas então ela escutou outra coisa, o que ela própria dizia, e percebeu que a raiva não era de que o mundo continuava sem ela, mas de que o mundo continuava com ela, que ela continuava, que o fim do amor não a tinha matado, e que em algum momento ela não sentiria mais essa dor. É sempre tão bonito e difícil esse momento em que o paciente percebe que ele está cultivando a ferida, que o pior é pensar que um dia ela será apenas uma cicatriz. Muitos recuam nesse ponto, mas ela foi forte, seguiu, falou, chorou, viveu. Até que um dia se descobriu apaixonada novamente, e me disse, já em pé na porta, sorrindo, ao final de uma sessão,

  “Agora já estou pronta para me quebrar mais uma vez.”. 

 

 

 

Carina B.

 

 

 

 

6 comentários em “Desde que ele partiu, estou em cacos

  1. “… percebeu que a raiva não era de que o mundo continuava sem ela, mas de que o mundo continuava com ela, que ela continuava, que o fim do amor não a tinha matado, e que em algum momento ela não sentiria mais essa dor.” Texto perfeito Carina!! Perfeito!!

  2. A gente vive por ai se quebrando e se remendando sabendo que vamos nos quebrar de novo, mas é aí que está a graça da vida.
    Demais!

Os comentários estão fechados.