Seu beijo, faz a memória falhar.

Estar apaixonada é perder alguns sentidos,

em troca de viver num universo utópico de mim mesma.

A vida nunca foi muito interessante antes de você.

Não achei que a audição e a fala fossem me fazer tanta falta.

E além disso, você dormindo agora, continua o mais lindo.

O seu corpo no meu era o encaixe perfeito.

De temperatura, tamanho, texturas.

Seu cheiro era de aconchego, carinho.

E o sabor da sua pele, ainda arrepia a minha.

Sempre foi tudo tão gostoso que eu nem reparei,

não eram só sentidos que eu estava perdendo.

A fala foi embora aos poucos.

Com uma crítica aqui, uma risada de deboche ali.

Com você parece que mesmo eu fazendo tudo certo, é o pior jeito de se fazer.

Deixei de opinar. Não queria errar.

A voz baixou, e a audição não fez esforços.

Nem você e nem eu, conseguíamos mais me ouvir.

E acho que às vezes, nem a si mesmo você ouve.

Pelo menos espero.

Esse bilhete não foi covardia.

Foi minha única saída.

Porque além disso tudo, eu também perdi minha força.

Por mais que eu passasse a noite pensando em tudo que ia desabafar na manhã seguinte, acordar com seu beijo fazia a memória falhar.

Estar apaixonada, não é perder todos os sentidos.

É ampliar cada um deles e criar um só dos dois. A união.

Acho que a gente se perdeu no caminho.

Te tirar de mim não vai ser fácil, mas te ver não vai ajudar.

Deixe as coisas na portaria.

 


Desafio da Semana:

3/07 - Um bilhete debaixo do travesseiro – a perspectiva de quem escreveu o bilhete

Deixe uma resposta