Fora do fogo, dentro de mim

Volto pra dentro

Porque ao sair me queimo.

Ao sair sou apagada pela fumaça.

Que me sufoca

Me obstrui

Sou nada.

 

Fecho os olhos, prendo o ar

Garganta seca

Palavras presas

e sinto o suor na pele

Suja

De fuligem

De esquecimento.

Suor frio.

O fogo queima,

Mas é gelo

Exclusão

Cegueira e surdez prepotentes.

 

Acha que basta

E eu consinto

Permito

Me calo

Definho

Vejo no chão

Minhas vontades derretidas

Deformadas

Incompletas

Carbonizadas

 

Ninguém me ensinou a mexer com fogo

A mexer com a vida

 

Porque ninguém aqui sabe como

E nem você sabe o porquê.

 

Volto pra dentro

Porque ao sair me perco

Ao sair sou atropelada pela ansiedade do mundo

Que me atordoa

Me tolhe

Me culpa

 

E só de dentro,

sou tudo.

E só de dentro sou.

 


Desafio da Semana:

19/11 - Aprendendo a fazer fogo

Deixe uma resposta