Enigma

Os olhos da vítima abrem-se repentinamente. Depois de semanas, meses, depois de quarenta e duas vidas sem enxergar direito, vendo apenas vultos e formas, imagens disformes como as de uma televisão antiga cuja antena quebrou, naquela manhã ela realmente abriu os olhos. Demorou para reconhecer a própria casa. Tudo parecia brilhante demais, colorido demais, vivo … Continue lendo Enigma

Não há mar

Não há mar será possível? Questiona Paula enquanto olha Julho que lê a placa dizendo desistam eles se entreolham primeiro incrédulos depois pensativos por fim desafiadores e não desistem. Não há vida se não há mar ambos falam ao mesmo tempo e sorriem primeiro tímidos depois desejantes por fim decididos e se beijam. O beijo … Continue lendo Não há mar

Vida real

O problema é que esses escritores são tão cheios de palavras que não sobra espaço pra mais nada, ela grunhia-gritava-latia enquanto ele apenas olhos-arregalados-em-silêncio, Não precisa falar nada, eu sei que você tá pensando que eu também escrevo, e que, muito pior do que escrever, eu leio, leio muito, leio demais, leio tipo Como-alguém-consegue-ler-tanto?, leio tipo … Continue lendo Vida real

A vida é um caminhão

Chinês dirige caminhão-tanque pegando fogo por três quilômetros http://blogs.oglobo.globo.com/pagenotfound/post/chines-dirige-caminhao-tanque-pegando-fogo-por-tres-quilometros.html Começou logo de manhã. Levantei atrasado, a camisa que eu vesti estava sem um dos botões, e aí assim que eu troquei derramei café no punho. Enrolei a manga e fui assim mesmo. Meu carro não pegou nem por um decreto, e como, lembrando, eu já … Continue lendo A vida é um caminhão

Um par de chinelos verdes

Um par de chinelos verdes. Fora da caixa, mas aparentemente novos, sem marca de uso ou sujeira, com aquele cheiro inconfundível de borracha. Toco a campainha do vizinho, Oi, bom dia, esses chinelos são seus? Não são, nem dele e de nenhum dos outros vizinhos que perturbo naquela manhã de domingo. Um par de chinelos … Continue lendo Um par de chinelos verdes

Todo domingo eles fazem tudo sempre igual

Pedro e Julia são sempre os primeiros chegar, precisando tocar a campainha três vezes antes da porta ser aberta porque ninguém na casa de Joana está pronto ainda. São recebidos por José e repetem o mesmo diálogo sobre pontualidade enquanto José termina de abotoar a camisa e Joana entra na sala com Maria Clara logo … Continue lendo Todo domingo eles fazem tudo sempre igual

Todo dia é igual aos outros até não ser mais

As mesmas mãos de sempre abrem ruidosamente a cortina, convidando o sol a iluminar tudo que há de inanimado naquele lugar. Tudo menos ela. Se a perguntassem, ela diria que também é um objeto inanimado, ao menos é assim que ela se sente, mas já não a perguntam mais nada. Ela espera o barulho que … Continue lendo Todo dia é igual aos outros até não ser mais

Horrivelmente perfeito

Você é tão horrivelmente boa! A raiva e o desprezo na voz dele eram palpáveis, e a reação dela naquele momento foi a mesma de quem se sente prestes a ser atacado, pupilas arregalando e pálpebras fechando, corpo retesado, respiração presa; mas o ataque não veio. Ele ainda exalava raiva por todos os poros, ela … Continue lendo Horrivelmente perfeito