Novo dia, nova história e um novo eu.

Repetição. Tudo está onde deveria estar? Princípio: tonteio minha cabeça em busca de respostas. Quando tudo isso começou? E porque? Levanto o meu sono intrépido. Investigo meu acordar: que lugar? Reconheço uma única coisa: o meu nome na voz aveludada que me chama ao longe. Levanto devagar as minhas dúvidas recorrentes. Teremos um dia lindo, … Continue lendo Novo dia, nova história e um novo eu.

Amarelo brilhante

Quando eu era criança, minha avó me contou que cada medo tinha uma cor diferente e que se olhássemos atentamente, veríamos várias cores andando por aí vestidas de pessoas. “Então é por isso que o Batman é preto, vó? Porque ele não tem medo de nada?” Depois cresci e não tinha tempo para medos e … Continue lendo Amarelo brilhante

Bolinhos salgados sabor chocolate

No começo não se sabia direito porque Ângela vomitava. Logo ela, que sempre aguentou bem as peripécias do mar. Quase quatro anos sem passar mal, nenhuma passadinha, e agora isso. Não importava quanto o barco balançava, ela tirava de letra, e agora isso. Alberto se preocupava, mas não podia tirar os olhos do resto. Comandar … Continue lendo Bolinhos salgados sabor chocolate

Acho que deve ser assim

Acordou com o Sol esquentando seu rosto. Estava deitado em um gramado verde claro, cercado por algumas árvores espaçadas. Eram de todos os tamanhos, mas suas copas tinham o mesmo formato arredondado. As flores tinham a altura dos seus ombros e alguns cogumelos batiam no seu joelho. Os prédios desafiavam a geometria com suas fachadas … Continue lendo Acho que deve ser assim

Sleeping pills

Foi somente depois que o avião pousou que Théo despertou de um sono sem lembranças. Onde estava? Ainda sonolento, não compreendeu a mensagem do piloto. As palavras pareciam zumbidos de mosquito. Viajava sempre nas poltronas da frente para ser um dos primeiros a sair. Tinha pavor de voar e só conseguia ficar dentro de uma … Continue lendo Sleeping pills

Os buracos de Túlio

  “Hoje eu mando a velha se foder, hoje eu mando”, pensou o Túlio segurando a mochila jeans. O Túlio trabalhava na prefeitura. Atendia telefone e agendava equipes para tapar buracos. Quando sobrava dinheiro, comprava uma Playboy. Tinha vinte e nove anos, mas nem parecia: mal passava da adolescência em seus hábitos. Pegava o 775V/10, … Continue lendo Os buracos de Túlio