quantos poemas já não morreram por felicidade?

bem-me-quer. morre uma flor. bem-me-quer. morre outra flor. apesar de bonito o amor é fúnebre. existe mais saudade no cemitério do que na minha cama. eu deito a noite deita e ninguém mais deita. sonho solitário. bem-me-quer. morre mais uma flor. a natureza pouco se importa pro meu ciclo. a vida fora de mim segue. … Continue lendo quantos poemas já não morreram por felicidade?

A cura pra felicidade é o choro

Ok, cura não é uma boa palavra. Existe uma boa palavra? Não. Por isso a necessidade do que chamei de cura, que talvez seja melhor expressa como intervalo, barreira, como queda, escoamento daquilo que é demais: porque não há palavra que diga exatamente o que se quer dizer, porque não há sentimento que seja eterno … Continue lendo A cura pra felicidade é o choro

Não estou sabendo existir

Em algum lugar remoto nesse universo de infinitas possibilidades que se derrama sobre mim agora, havia, uma vez, um pequeno planeta azul em que animais com alguma inteligência primitiva inventaram o conhecimento. Foi o instante mais significativo e, ao mesmo tempo, mais enganoso daquilo que chamamos de história. Mas foi apenas um instante numa eternidade … Continue lendo Não estou sabendo existir