ficar preso no chão dos outros nunca me deixou voar

nunca virei o dançarino que eu queria ser quando era criança. olho pra caixinha de música. é igual a que minha mãe tinha em casa. igual mesmo. as mesmas cores. o mesmo som. a mesma marquinha descascada do lado da tampa. ter os pés presos pra sempre no ímã do chão. nunca entendi direito se … Continue lendo ficar preso no chão dos outros nunca me deixou voar

você roubou meu coração numa noite de muita chuva.

eu passava por uma estrada deserta. vontades furadas. sem amores estepes. parei e deixei cair sobre mim todas as lágrimas do mundo. quando percebi a beira da rodo- via você chegar a(r)mada. um tiro seco na alma minha carcaça é toda sua. mas antes da bala chegar só deu tempo de avisar eu tô vazio … Continue lendo você roubou meu coração numa noite de muita chuva.

esta é uma obra de ficção

meu personagem sou eu. por mais que invente nomes por mais que mude datas o que conto é só meu vívido e vivido. escrevo salgado sobre doces sensações inéditas. antena de tristezas o papel. conto histórias de saudade em primeira pessoa. meu narrador é onisciente onipresente e impotente. não muda passado. assim como não consegue … Continue lendo esta é uma obra de ficção

nunca sei se um sorriso é onde começa ou onde termina uma tristeza.

olho pra boca das pessoas e não vejo sinais nem nos olhos nem nas mãos nem no coração. nem tudo que tá dentro da gente sai. guardar é mais que uma reação natural. a gente se fecha pro mundo quando não abre nem mais um sorriso. é incrível o poder que nossa boca tem e … Continue lendo nunca sei se um sorriso é onde começa ou onde termina uma tristeza.

a rua mais bonita que já vi não leva a lugar nenhum.

a vida em mão dupla faz a gente passar pelas decisões numa velocidade alta demais cê não acha? nossos sonhos vivem em rotatórias complicadas de sair. a rua mais bonita que já vi é mais bonita que rua. tem placas limpas e vazias pessoas arrumadas e perdidas umas árvores lindas no canteiro central que distraem … Continue lendo a rua mais bonita que já vi não leva a lugar nenhum.