é um dia lindo de sol alguém diria

julho chegou e ainda tinha um pau lá fincado na areia no lugar do mar. uma placa de tinta quase apagada. desde a estação passada já não se vê mais água nem vegetação em lugar nenhum. a madeira na praia é velha e pede gentilmente pra que a população despeje copos d’água. é claro que … Continue lendo é um dia lindo de sol alguém diria

Não há mar

Não há mar será possível? Questiona Paula enquanto olha Julho que lê a placa dizendo desistam eles se entreolham primeiro incrédulos depois pensativos por fim desafiadores e não desistem. Não há vida se não há mar ambos falam ao mesmo tempo e sorriem primeiro tímidos depois desejantes por fim decididos e se beijam. O beijo … Continue lendo Não há mar

Cadê o mar que estava aqui?

Perguntaram, quando chegaram à praia, para o moço de uniforme, que parecia um tipo de guardinha do mar. Ele respondeu para Paula e Julho, apontando para uma placa, enorme, onde estava escrito INDISPONÍVEL. Mas como poderia o mar estar indisponível? Eles não entendiam. Afinal de contas, o mar é o mar, ele está sempre lá, … Continue lendo Cadê o mar que estava aqui?

Uma nota que seria pra você ler se eu não tivesse te matado

Escolhi o Bairro Alto estrategicamente. Por causa dos bares e das ruas na lateral. Acabei me esquecendo das ladeiras. A ideia foi simples: Jantar romântico. Estar incrivelmente linda. Te matar. Deixar seu corpo largado ao pé daquela mansão que a gente falou que queria morar junto. Voltar para nossa casa, agora só minha, parando em … Continue lendo Uma nota que seria pra você ler se eu não tivesse te matado